Foi assim, como ver o mar…

Fico cheia de gratidão quando presencio o primeiro contato consciente de uma pessoa com as questões da espiritualidade e das práticas de autoconhecimento. Acho sempre emocionante esse momento tão sagrado e não consigo deixar de associar que as pessoas reagem nestas ocasiões – netunianamente – da mesma maneira que aquelas que estão vendo o mar pela primeira vez…

Há os que se emocionam e precisam ir devagar, meio assustados com aquela dimensão toda, observando primeiro antes de se aproximarem das águas com todo cuidado e apenas molharem os pés.

E tem os que reagem com tamanho encantamento, impressionados e maravilhados, que se atiram no mar descuidadamente, correndo o risco de se desequilibrar, mas aproveitando o prazer de uma experiência inigualável…

É como o finalzinho daquela música do Flávio Venturini:

…”Foi assim, como ver o mar, foi a primeira vez que eu vi o mar, onda azul, todo azul do mar, daria pra beber todo azul do mar, foi quando mergulhei no azul do mar“…

Trackback URL

, ,

One Comment on "Foi assim, como ver o mar…"

  1. Daniel Mezacasa
    28/02/2013 at 4:12 pm Permalink

    Que linda associação Kety. Eu gosto muito de ficar boiando neste mar por horas e muitas vezes pegar uns jacarés com as ondas.

Hi Stranger, leave a comment:

ALLOWED XHTML TAGS:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Subscribe to Comments