Comunicando emoções

 vdsf2646.jpg

Damos bastante importância à saúde física, que é primordial ao bem estar humano. No entanto, ela está condicionada ao nosso estado psíquico e emocional: eles se moldam da maneira como nos relacionamos conosco e com os outros.

Raivas, medos, tristezas, culpas, etc. acumulados acabam provocando distúrbios físicos.
Tais emoções são geradas em nossas interações cotidianas. Falta autenticidade para dizer, por exemplo, como alguém se sente incomodado quando a outra pessoa faz alguma coisa que tem o costume de fazer. Esse sentimento fica guardado e de um desconforto inicial chega a sentimentos de raiva e repulsa.

O pior de tudo é o receio que temos de magoar o outro com a nossa verdade. Ah, essas máscaras que a sociedade nos incita a usar! Uma comunicação limpa e verdadeira não deve implicar um julgamento a outro nem a si mesmo. Não se está suficientemente maduro para entrar numa verdadeira relação (amorosa, de amizade…) a menos que se compreenda que não se pode julgar a intenção ou motivação da outra pessoa ao expressar o que sente. É preciso ser humilde e sensato para aceitar a complexidade e o mistério do ser humano.

Num exemplo de sinceridade emocional, eu poderia dizer: ”Estou ansiosa com você.” e assim expresso como me sinto sem culpar a outra pessoa, como faria se dissesse: “Você me deixa ansioso!”. Afinal, pode ser meu complexo de inferioridade que me faça sentir assim perante você.
Se eu disser que me sinto aborrecido ou magoado por alguma coisa que você tenha feito ou dito, a frase colocada dessa forma não implica julgamento. Apenas expresso meu sentimento e quem sabe este seja uma paranóia, um complexo de perseguição que me faz sentir assim com relação a você. Pode ser que essa mesma atitude que você teve com relação a mim não aborreça a outra pessoa.
A melhor maneira de realizar a comunicação de nossas emoções, por exemplo, seria dizer “Não sei porque isso me incomodada, mas eu sinto (ou percebo) assim nesse momento. Não estou dizendo que é sua culpa, mas me sinto magoada com o que você está dizendo”. Essa frase não contém nenhum julgamento, expressa minhas emoções e pode favorecer um diálogo de ajuda mútua para encontrar a origem disso.
O hábito de julgar intenções ou motivações do outro deve ser superado, pois é uma atitude adolescente. Tomemos responsabilidade e consciência sobre nossas emoções para poder compreendê-las e liberá-las, e assim tornar nossas interações mais limpas e verdadeiras.

 Respire. Sinta. Fale sua verdade sem (auto) julgamento.

Trackback URL

, , , , , , , ,

No Comments on "Comunicando emoções"

Hi Stranger, leave a comment:

ALLOWED XHTML TAGS:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Subscribe to Comments