Astrologia cabalística (parte I)

mazalot

Dentro da Cabala, temos duas abordagens diferentes da Astrologia. A primeira nos fala da divisão do ano em 12 meses distintos, cada um deles regido por uma constelação (a palavra constelação, também significa “sorte”), sendo cada uma delas representada por um signo.

(Pra quem não sabia, os doze signos do Zodíaco são constelações no céu.)

A cada mês então, de acordo com a Cabala, temos acesso a uma manifestação diferente da energia divina. De fato, cada ano abre doze oportunidades de crescimento espiritual diferentes. Desse modo, a cada mês temos os seguintes desafios:

  • Nissan / Áries – o impulso extra de energia sinalizado pelo carneiro (Áries) possibilita que nos libertemos das armadilhas do Ego, considerado o grande vilão pessoal para a Cabala;
  • Iyar / Touro – ao longo desse mês, devemos passar por momentos de introspecção, a fim de retificarmos a nefesh (porção mais animalesca da alma) e refinarmos nossos traços interiores; 
  • Sivan / Gêmeos – o mês em que a energia da Torá (a Lei, os cinco primeiros livros do Velho Testamento) é recebida de modo que superemos a dualidade a fim de nos tornarmos um com Deus;
  • Tammuz / Câncer –a energia desse mês é especialmente benéfica para trabalhos de cura ou prevenção de doenças;
  • Av / Leão – o mês mais negativo e mais positivo ao mesmo tempo (refletindo os exageros do Leão) é o período no qual espera-se o messias e o encontro da alma gêmea;
  • Elul / Virgem – o mês da purificação, do exame minucioso e criterioso de nossas falhas a fim de terminarmos o ano (o calendário civil dos judeus termina em Elul);
  • Tishrê / Libra – o ano-novo e a promessa de vida até o próximo ano no Dia da Reparação (Yom Kippur) são as oportunidades abertas nesse mês;
  • Mar Cheshvan /Escorpião – transformar a “mês amargo” (a tradução do nome mar cheshvan) em “mês elevado” é o desafio imposto nesse mês, um período em que – pelo esforço e consciência – podemos transcender tudo o que é mundano;
  • Kislev / Sagitário – no mês em que ocorre a festa das luzes (Chanucá), como celebração de um milagre acontecido a mais de dois mil anos atrás, podemos operar verdadeiros milagres em nossas vidas;
  • Tevet / Capricórnio – período considerado difícil, em que tendemos a nos distanciarmos mais de Deus e focarmos apenas na matéria, Tevet conta com um resquício da energia de milagres do Chanucá (que termina no segundo dia desse mês) para nos ajudar até o final;
  • Shvat / Aquário – no mês em que as águas sobem carregadas pelo tronco das árvores e com isso trazem uma nova vida, podemos nós mesmos começarmos uma “nova vida”;
  • Adar / Peixes – o mais feliz dos doze meses, no qual a essência de Deus paira sobre as cabeças de todos e nos ensina que o final está engastado no começo.

continua…

Trackback URL

, , , , ,

2 Comments on "Astrologia cabalística (parte I)"

  1. cleide dantas
    29/06/2008 at 11:07 pm Permalink

    gostei bastante dete site especialmente por se tratar da Cabala .Grata pela atenção

Trackbacks

  1. [...] vimos anteriormente, a Cabala tem duas abordagens distintas da Astrologia: uma que fala do céu de maneira coletiva e…

Hi Stranger, leave a comment:

ALLOWED XHTML TAGS:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Subscribe to Comments